Sábado
04 de Abril de 2020 - 

Integra

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Previsão do tempo

Hoje - Barra de São Francisco...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Chuva

Domingo - Barra de São Franci...

Máx
28ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Barra de São ...

Máx
29ºC
Min
23ºC
Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,30 5,30
EURO 5,72 5,72

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Últimas notícias

Cármen Lúcia nega pedido do GDF para obrigar trabalho remoto para servidores federais

Ibaneis vai ao Supremo para obrigar servidores federais a trabalharem de casaServidores do DF começam teletrabalho; 'home office' é por tempo indeterminado A ministra Cármen Lúcia do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta terça-feira (24) um pedido do Governo do Distrito Federal para que o governo federal fosse obrigado a conceder trabalho remoto para todos os servidores públicos federais. Para a ministra, obrigar o governo federal a seguir as regras distritais fere o princípio constitucional da separação de poderes. Na segunda-feira (23), o governador Ibaneis Rocha (MDB) acionou o Supremo Tribunal Federal para obrigar a União a determinar o regime de home office para os servidores que atuam na capital. Conforme o GDF, por causa da epidemia do novo coronavírus, a manutenção do trabalho presencial tem "enorme potencial de dano à toda população" de Brasília. O pedido se estendia aos servidores públicos federais e empregados da administração pública direta, indireta, autárquica, fundacional, empresas públicas e sociedades de economia mista (inclusive o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal). Cármen Lúcia ainda destacou que a ação no STF demonstra falta de harmonia entre os dois governos. "O que nela parece, melancolicamente, demonstrado é a incapacidade de se dar cumprimento à harmonia que a federação impõe aos governantes dos diferentes entes estatais e a desistência dos administradores públicos de dar cobro a suas obrigações de se articularem em atuação apartidária, racional e legítima na busca efetiva, eficaz e séria do interesse público específico, tão maltratado no caso brasileiro, especialmente em momento de tamanha gravidade como a provação que submete agora todo o povo”, disse Cármen Lúcia. Para Cármen Lúcia, a adoção de medidas deveria ser em harmonia em vez de os governos “buscarem competir quanto às medidas a serem levadas a efeito”. "Os administradores públicos têm de atuar no exercício de suas atribuições públicas específicas sem se valer e instrumentos ilegítimos ou desviados da finalidade de realização do interesse público, menos ainda fazer gestos nitidamente incompatíveis com o sistema jurídico." A ministra destacou que não se pode obrigar a União a aplicar as regras do GDF. "A tutela buscada é juridicamente inusitada, constitucionalmente contrária aos comandos normativos e subverte os termos em que assentado o modelo federativo adotado no Brasil. Essa pretensão esbarra em insuperáveis óbices extraídos diretamente da Constituição da República." Segundo Cármen Lúcia, os dados do processo demonstraram que a União adotou medidas dentro de seus limites. CORONAVÍRUS Últimas notícias sobre coronavírus VÍDEOS: Coronavírus: perguntas e respostas GUIA ILUSTRADO: sintomas, transmissão e letalidade Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus Quanto tempo o novo coronavírus vive em uma superfície ou no ar? Máscaras servem para proteção contra o novo coronavírus? Como se prevenir do coronavírus? Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.
24/03/2020 (00:00)
Visitas no site:  729696
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia