Segunda-feira
28 de Novembro de 2022 - 
"O direito não é nada além do mínimo ético."

Integra

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Previsão do tempo

Hoje - Barra de São Franc...

Máx
27ºC
Min
23ºC
Chuva

Terça-feira - Barra de S...

Máx
25ºC
Min
23ºC
Chuva

Quarta-feira - Barra de S...

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,35 5,35
EURO 5,57 5,57

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Últimas notícias

TJES inicia julgamento de agravo contra decisão judicial que autorizou transfusão de sangue

Relator do processo e mais dois desembargadores proferiram voto, mas julgamento foi interrompido por pedido de vista. O Tribunal Pleno do TJES iniciou, na manhã desta quinta-feira (24/11), o julgamento de um agravo de instrumento interposto por um paciente, que se denomina testemunha de jeová, contra a decisão judicial que autorizou um hospital a realizar uma transfusão de sangue no mesmo, embora tenha sido explicitado que ele discordava da sua realização por motivo de crença religiosa. O relator do processo, desembargador Samuel Meira Brasil Júnior proferiu voto, decidindo que: os pacientes que recusarem transfusão de sangue por motivo de crença religiosa (testemunhas de Jeová), tem direito de receber procedimento alternativo viável e eficiente; essa escolha exige consentimento formado específico para o procedimento, através de manifestação de vontade válida, inequívoca e informada; o paciente que optar livre e oficialmente por procedimento alternativo viável e eficiente não pode ser obrigado a tratamento perso; os profissionais dos hospitais tem o dever de buscar procedimentos viáveis, eficazes e compatíveis com a liberdade religiosa de cada paciente, como, por exemplo, o PDM. os profissionais médicos não podem ser genericamente responsabilizados por suas decisões técnicas tomadas nas situações de emergência em que não existam procedimento alternativo para a transfusão, absolutamente necessária, em paciente sob seu cuidado; o poder público e os hospitais públicos e privados tem o dever de promover políticas para respeitar a convicção religiosa e simultaneamente o direito à vida e à saúde. Para isso, devem procurar oferecer os procedimentos alternativos à transfusão de sangue, como o PDM, sempre que forem viáveis e eficazes. O voto do desembargador Samuel Meira Brasil foi acompanhado pelos desembargadores Manoel Alves Rabelo e Annibal de Rezende Lima. Em seguida, o desembargador José Paulo Calmon Nogueira da Gama pediu vista do processo. O assunto já foi tema de audiência pública que reuniu mais de mil pessoas no Tribunal de Justiça do Espírito Santo, para ouvir especialistas, pacientes e familiares. Na sessão desta quinta-feira (24/11), muitas pessoas compareceram ao salão pleno para acompanhar o julgamento, também transmitido pelo canal do TJES no Youtube, e que contou com a manifestação de advogados das partes interessadas e do Ministério Público Estadual. Vitória, 24 de novembro de 2022   Informações à Imprensa Assessoria de Imprensa e Comunicação Social do TJES Texto: Maira Ferreira |  Maira Ferreira Assessora de Comunicação do TJES www.tjes.jus.br
24/11/2022 (00:00)
Visitas no site:  1077224
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia